SE CORRER, SE FICAR…

Eu sempre fui de correr muito, uma perseguidora da vida.  Uma perseguidora da felicidade, do dinheiro, da paz.  Muitos projetos, muitos planos… Não respirava, muitas vezes.

Esse ano de 2010 me trouxe uma espécie de letargia, uma vontade enorme de deixar tudo de lado e ver o que acontecia.

Preguiça. De cozinhar, de fazer as unhas, de caminhar, de pensar. a televisão, outrora inimiga, tornou-se a melhor amiga inseparável . (Mesmo escolhendo os programas, este eletrodoméstico é um perigo, nos paralisa e impede de pensar)

E ontem eu olhei direito o meu entorno: a casa suja e bagunçada. Eu, inchada e sem disposição. O cabideiro escondido sob diversas roupas. As notas no boletim das crianças denotam falta de acompanhamento materno.  É… Acho que deixei rolar muito. Percebi que a vida está sem rédeas.

Ok, me sinto em paz, serena e calma.

Mas o caminho do meio é o correto.

Não sinto saudades do tempo em que eu não respirava.

Mas sinto falta do interesse e da disposição para cuidar de mim, do meu espaço e dos meus.

Enquanto penso nisso, lembro de como eu era controladora. E era chata, uma ditadora que queria que todos obedecessem às minhas vontades. Não entendia que não precisava levar todo mundo junto na minha neurose. E bate um medo.

O limite entre eu e os outros ainda é um mistério para mim.

Praticando a vida da maneira como eu acho correta, posso afastar pessoas que amo… Não sei, não entendo isso. O que seria a “vida correta”??

Viver o momento presente. É pouco? Não, é muito, mas muito mesmo! poque é o que temos: o momento presente. E cada um, a si próprio.

Em mim tenho tudo o que necessito, para este instante.

Agora vou tratar do almoço….

Anúncios

O CORAÇÃO, A MENTE, O ESPÍRITO.

Ainda estou esperando o outono. Hoje já me pareceu como eu concebo: dia azulzinho, quente ao sol e fresquinho na sombra.
E eu vou me “outonando’ devagarzinho, afinal, como a maioria da humanidade, eu ando no ritmo de dois passos à frente e um para tras.
rezo, e muito, rogo aos céus a força e a disciplina necessárias para efetuar as tão profundas transformações…
Que transformações são essas? Ah!! No final, nem eu sei direito… Mas percebo que posso me amar mais, por exemplo, em diversos sentidos. Não falo de dólares, ou carros, ou viagens. mas até para o trabalho render boas malas de dólares, é preciso ter a cabeça no lugar, o coração tranquilo, a mente quieta e a espinha ereta, como aquela música.
E é disso que eu to atrás.
As atitudes: alimentar-me, ao invés de comer. Meditar durante alguns minutos do meu dia, ao invés de viver no piloto automático, pensando em miles de coisas ao mesmo tempo. Exercitar mais o corpo, de maneira simples e sem torturas.
Assim tudo melhora, não é mesmo? Duvido que não melhore.

Abobrinhas Hospitalares

No hospital. Plantão de quinta…é bom mas é ruim, é ruim, mas é bom. Tá calor, o ar quebrado. Tá cheio, tem reclamação.

Mas eu to lindona, de sapato bem alto. Mulheres de sapato alto ficam muito mais mulheres, né não?

Não bastasse o serviço normal, peguei uma papelada atrasada para atualizar, fazer media com as colegas e com o chefe. Não basta a beleza, tem que ser eficiente… atualizo tudo escutando Nina Simone, e lendo tutoriais sobre planos de negócios, para escrever logo o meu.

Dois chocolates sem açúcar, para dar um up.

Agradeço à Deus pelos meus milhões de neurônios, pois com eles posso pensar em trabalho, chocolate, palno de negócios e no samba de mais tarde.

E ainda sobraram alguns para pensar em como tem médico residente gato passando por mim.

Amo o outono, mesmo com calor de verão.

Às Fadas do Outono, um pedido especial.

Eu amo o outono com todas as minhas forças.

Percebo até mesmo um cheiro diferente no ar.

Cheiro de que, Mulherpolvo??

Ah! Garotada… De vitórias, alegrias, sucessos.

Tá bem, tá bem… Eu não ia escrever hoje, tava pensando que não tinha assunto. Mas é só começar a bater os dedinhos aqui que o negócio começa a esquentar. E eu vou contar para vocês como o final deste verão ficará marcado  para sempre na minha memória.

Todos que frequentam estas páginas sabem da minha situação com Puro-Osso. a gente termina e volta faz quatro(!!!)anos. É gente, é brabo.

Pois não é que o rapaz apareceu em minha casa na semana passada, com a solução para o fim das nossas brigas?

Não, não foi um revolucionário produto à venda pela Polishop não, galera.  Ele veio propor CASAMENTO.

Segundo ele, as nossas brigas não duarariam muito, se a gente dividisse aluguel e todas as outras contas.

Vê se pode?

Gente, não caio mais nessa não. 2010 é o ano do desapego, para mim. D-E-S-A-P-E-G-O!!!

Para não ficar discutindo relação no portão de casa bem na hora de preparar o almoço, falei para ele me procurar no sábado, e quando o dia chegou, ele não apareceu. Bem, qualquer homem sabe direitinho quando um pedido de casamento não cola, não é?!

Como eu gosto de ser casada e estou aberta a propostas, não custa deixar aqui uma listinha de qualidades que precisarei ver no próximo coitado marido; vai que as fadinhas outonais estejam a fim de ajudar, né não?!

1- Emprego fixo e capacidade de se sustentar. Quer dizer que todas as contas do sujeito precisam ser pagas por ele mesmo, e não por familiares ou algo que o valha.

2- Capacidade de perceber que a responsabilidade pela vida dele e por tudo o que ela contém, é dele, exclusivamente.

3-Idade, carro, grana, filhos e etc. não são importantes para mim. O que me importa é como o candidato lida com essas coisas.

4- É bem provável que, se eu ficar em dúvida quanto à sanidade mental do sujeito, um psiquiatra seja convidado a dar seu parecer.

5- é imprescindível que o candidato à marido tenha a mente aberta, evitando frases como “odeio teatro”, ‘não assisto comédias românticas” e outras bobisses do tipo.

6- É condição cine-qua-non gostar de crianças e cachorros.

Você tem Fome de Quê??

Minhas queridas leitoras não entenderam. devem estar pensando que surtei de vez, por querer/precisar emagrecer uns 15 quilos.

Mas não me parece que você seja gorda, disse uma.

Magreza entristece, disse outra.

Então, vamos aos fatos:

Em primeiro lugar, eu estou com 75Kg, e isso é muita coisa. Eu nunca fui magrinha, minha constituição jamais permitiria isso. Me sinto bela com 65kg. Bela, mas não magra.

Toda essa banha gordura está localizada aonde? Ah! Adivinhou quem disse na barriga!! Até minhas filhas já sabem que gordura abdominal é um grande perigo para a saúde do coração!!

Na minha labuta hospitalar, não me falta doentes e coleguinhas me perguntando se estou grávida. Me resta o deboche e a depressão. Mas enfim, são pessoas sem noção, cujas opiniões não me importam… E chego em casa nove e tal da noite, faminta. Devoro uns dois (ou três) misto-quentes, de repente, depois, um chocolate. Gulodisse pura.

Meus ancestrais, além de gulosos eram TODOS cardíacos e diabéticos, e precisarei me cuidar de verdade, para que este não seja o meu fim.

Ah! Existe também a questão da roupas! Quase nada está cabendo, somente aqueles vestidinhos soltos de verão, e um short e uma minissaia. Quem nem ficam tão bonitos assim. E neste momento de vacas magras, nem pensar em comprar roupas de gorda.

Esses são os motivos para encarar uma re-educação alimentar, voltar a cuidar de mim e da minha saúde. Meu corpo, minha responsabilidade!! Não posso deixar nas mãos do BOB”S a tarefa de me nutrir!!

O lado bom é que, além de saber cozinhar, também sei comer. creio que me abandonei por pura preguiça. Por desamor. Por distração.

Estou disposta a colocar a comida no lugar certo dela: nutrição e energização!! E volto pra cozinha com carinho maternal, desta vez, não para preparar papinhas de bebê, mas para mim, com muito  amor.

E todas as manhãs tomo uma beberagem energizante. Um suco de luz, que para muitos seria das trevas. Eu passo na centrífuga: 1 limão, 1 maçã, 1 cenoura, 1 inhame, 1 pedaço de gengibre e uma folha de couve. Depois eu coloco uma colher de farinha de linhaça e mando pra dentro, fazendo cara feia, mas, na verdade, já estou me acostumando.

O intiuto aqui não é entar em padrão de beleza, mas entrar em padrão de saúde e vitalidade. Chutar pra longe a preguiça e a TPM, e andar feliz da vida, com minhas roupinhas de sempre.

Ah! esqueci de dizer que começo a atividade física em março.

Wish me luck!!!

E COMO JÁ DIZIA JACK, O ESTRIPADOR…

Vamos por partes! Estou no hospital, dedinhos frenéticos para escrever, até dar uma tendinite na mão. Quem tiver paciência leia todas as partes. Quem não quer saber de drama, pule a primeira.

PARTE I: MIMIMI NATALINO-HOSPITALAR.

Voltei das férias bem no dia 24 de dezembro. Sim, sim. Bem na hora do feriado, eu voltei a cordar as quatro e meia da manhã, como todos já sabem.  Quando eu cheguei aqui, avisaram que tinha um “papel” para mim. Pensei com meus botões ” uma folha de pagamento suplementar, depositando uns três mil reais na conta salário… Ou talvez um aviso de que as férias poderiam ser prorrogadas por mais 45 dias, se assim eu desejasse…. Ou, quem sabe, o direito divino de mandar todo o mundo tomar lá no centro social do orifício…”

Mas não, amigos. Era uma queixa de uma paciente, formalizada pela ouvidoria do hospital, com o título de “tomar providências cabíveis”, carimbado pela minha chefe e coisa e tal. Abri o memorando. A queixa, escrita a caneta com uma letra sofrível. A primeira frase: ” a funcionária Christine me tratou com inginorança…” caraca!! Que presente de natal… O pior é que eu me lembro bem da sujeita, na verdade foi mais um mal entendido que uma inginorança em si. Tá bem, eu gritei com ela, mas isso foi depois que ela acabou com todos os meus neurônios calmos e pacientes. Mas na verdade, a recepção tava lotada e barulhenta e a senhora, sofrida e cheia de auto-piedade, não queria escutar, só repetir que “estou com hemorragia, estou passando muito mal, vou morrer”. Bem, mas o que interessa é que eu precisava responder à queixa, me defendendo por escrito. Fiquei muito chateada, e levei do dia 24 até hoje para responder à queixa.

Na resposta, relatei tudo o que aconteceu, dando ênfase à barulheira que estava no local e o nervosismo da senhora. Terminei meu texto reiterando meu compromisso com a humanização do SUS e com o respeito ao doente. Pelo menos a defesa pode ser apresentada por escrito, o que me deu muita vantagem. Mas doeu, gente. Porque eu faço mais que o impossível para ser bacana e solícita com o pessoal que vem até aqui.

Prontoacabou.

PARTE II: OS DESEJOS PARA 2010

Para minha vidinha nada pacata, eu desejo um par. Um par romãntico, sabe?! E desejo sim, que ele seja não só um homem como também seja romântico e dance comigo sob a luz da lua, no meu quintal (acho isso lindo, de verdade, e ainda não vivi). Como passei 70%deste plantão lendo a Superinteressante (denovo) e aprendi como a nossa natureza animal faz para que nos apaixonemos, vou descrever aqui o que eu quero:

Um cara de proporções simétricas (é o que consideramos belo), de maxilar bem definido (denuncia bastante testoterona) com aquele corpitcho de ombros largos e sem barriga (sinal de que é resistente à bactérias e vírus) e com o sistema imunológico complementar ao meu (para garantir filhotes mais resistentes às doenças). Biologicamente falando, este é o meu par ideal. Só falta agora descobrir o telefone e o nome dele.

Outra coisa: desejo tomar vergonha e parar de sentir vergonha de estar engordando, ou então, tomar vergonha e entrar num esquema de alimentação mais saudável. Ou corremos o risco de esse blog mudar de nome: ” A frenética saga da mulherbaleia”. Feinho. Prefiro ser a deliciosa polvinha de sempre. Cheia de ômega 3 e 6.

PARTE III: E PARA VOCÊS, EU DESEJO…

Que vocês todos tenham muita energia, garra e criatividade para enfrentar o ano que se inicia. E um bom aparelho de ar condicionado, pois esse será um verão dos mais quentes. (Superinteressante, denovo)

Cabeça no lugar na hora de ganhar e gastar dinheiro. Não façam como eu, que, por adorar gastar, sai fazendo uns trabalhos meio que sofridos. (Promessa de ano-novo: não vou me render aos apelos do qualquer trabalho é melhor que nenhum trabalho). Lembrem de fazer mais o que gostam e de gostar mais do que é inevitável, pois passar o ano repetindo o mantra “odeio meu emprego” não tá com nada.  Portanto, juízo.

Desejo de coração que todos vocês possam respirar fundo (não os paulistanos), deixando que o ar nutra também seus corpos. Que os olhos estejam bem abertos para exergar as belezas da vida, da natureza, e de si próprios. E deixem os olhos bem abertos também para enxergar as maravilhosas possibilidades de trabalho, de caridade, de amor que a vida nos apresenta a cada dia. Não gritem com a senhorinha nervosa, ok? Nem gritem com a mãe, ou batam nos filhos. O amor e o sorriso são as armas mais poderosas do mundo… Além do diálogo franco, num momento sem interferências e raivas.

E por último, desejo que vocês, e também eu, não nos esqueçamos, de jeito nenhum, de que somos poeira estelar (ai, lá vem ela denovo!!), fomos feitos do mesmo material das estrelas, portanto, nascemos para brilhar!!!

Brilhemos todos nós, em 2010 e por todos os séculos!!!

(nossa, esse mimimi inicial deu espaço para a “guru” que mora em um recôndito de mim…)

YOU LIVE FOR THE FIGHT AND THAT’S ALL THAT YOU GOT!!!

Enquanto eu quase derretia na cozinha com aquele forno ligado, tocou meu telefone. Um convite para trabalhar numa feira, essa semana. Como a minha maratona de cozinha já teria acabado e eu to de férias no hospital, topei na hora. Mas antes da feira, as emoções do finde:

Sexta-feira:Méeeeeeeeeeeeeeeeee!!!

Comecei o dia ainda terminando as rosas de açúcar, e outros detalhes da festa de casamento da Afrodite. À tarde, partimos, Tchela e eu, para preparar o jantar. Para os convidados e anfitrião, um jantar completo. Para mim e Tchelita, apenas o aperitivo. O cardápio:

Antepastos: canapés de fígado de frango com nozes; canapés de berinjela; canapés de cebola gratinados

Entrada: salada de folhas com palmito fresco cozido em manteiga de ervas

Prato principal: Pernil de cordeiro com risoto milanês

Sobremesa: mousse de chocolate branco com calda de maracujá.

E foi isso. Tudo uma maravilha, no ponto. O anfitrião, que já comeu nos melhores restaurantes do mundo, amou a minha comida!! Me senti muito bem e nas nuvens, mas ainda havia mais duas etapas para pensar em sucesso.

Sábado: Livin’ on a prayer!!

Muito cansadas. Era assim que estávamos, desde o primeiro momento do dia. Mas uma dose dupla do poderoso “shake da Mulherpolvo” resolveu nosso problema. Eu estava de fato muito, muito nervosa. Aquele nervoso que nos faz falar baixo. Não existe palavra que explique o tamanho da aflição e do medo que senti. Mas fui. E fiz bonito, denovo. Tudo ficou maravilhoso e Afrodite amou tudo o que servi na festa dela. Mas o final de semana ainda não havia acabado…

Domingo: Rubra e negra!!

Um último bolo para entregar, mil coisas que deram errado. prometo em breve deixar aqui as fotos de tudo o que cozinhei no final de semana, mas hoje não dá. O fato é que este último bolo me deu um problema na pasta, e eu precisei improvirar para esconder este defeito. Foi uma grande superação, o sentimento de dor, e depois de vitória, mil coisas passando pela cabeça, até sair de casa com um bolo bonito, mas não lindo.

Não encontrei a noivana entrega, mas meu coração já me dizia que ela não ia gostar. Só quando cheguei á Niteroi que telefonei para ela, que disse que gostou “mais ou menos”. fazer o que, além de torcer pelo FLAMENGO e beber, beber… Com as melhores amigas ao lado, qualquer decepção fica menos triste, e no dia em que meu time se tornou HEXACAMPEÂO acabei reencontrando pessoas e situações que muito me alegram.

Hoje, quarta à noite, muito cansada por conta da feira. Vim escrever de fofoqueira que sou…

Reflexão da semana: agradar à todos é impossível, então, melhor nem tentar.