A FIEL ESCUDEIRA

O que qualifica um ser humano que você nunca viu mais gordo a entrar em sua casa e em sua intimidade?
A conviver, muitas vezes sozinho, com seus filhos e outros entes queridos? Saber como vc deixa o quarto e o banheiro, seus bons ou péssimos hábitos, essas coisas?
A empregada doméstica é o item mais polêmico da vida da mulher-mãe-profissional moderna, né não?!
Com ela, sua fiel escudeira, você sai pra trabalhar e tranquilamente deixa ela com as crianças, a fofa limpa e alimenta sua prole, faz penteado, manda pra escola. Ela dorme na sua casa pra você dar um rolezinho com um gato novo. Ela prega novos botões em sua camisa, prepara sucos e vitaminas do jeito que você gosta.
Ela cuida de tudo o que você não pode cuidar e ainda cuida de você um pouquinho.
Ela DEVERIA fazer isso, e nunca te deixar na mão, como boa fiel escudeira.
Mas existe um outro extremo em relação a esses seres.
Ela “arruma” tudo e você não acha mais nada.
Seus filhos estão “escolhendo” o que vai no prato do almoço. E estão ficando mandões e folgados também.
Ela mancha sua camisa preferida.
Ela derrama seu perfume (e porque estava aberto?).
Ela não consegue fazer uma comida descente, uma faxina descente, e anotar uma porra de um recado (VADIA!!!).
Em três meses, ainda não entende como você gosta das coisas. (BURRA E RELAPSA)
E a gente depende dessas porras. E gasta uma nota com salários e desperdícios.
Mas como ser glamourosa, antenada, rica e fofa sem uma empregada pra fazer aquilo que vai te deixar sem tempo pra nada???
Já tive empregadas maravilhosas, minha mãe sempre trabalhou fora, então, já sabe…
Mas de uns tempos pra cá (mais precisamente depois que eu voltei da Bahia com duas crianças, 3 e 1 ano), por mais bacana que algumas tenham sido, todas elas, sem exceção, me deixaram na mão um dia ou três por problemas pessoais, uma simplesmente desapareceu após uma mentira deslavada de que havia sido sequestrada.
Na Bahia, uma era espiã de minha intimidade.
A partir de abril faremos um experiência sem empregada aqui na minha casa.
Estarei 300% mais ocupada, mas acredito que muita coisa vá funcionar melhor, pelo menos no quesito carinho/amor ao se executar as tarefas.
Parece bobagem, mas meu cachorro está fraco e adoentado, minhas plantas, (as que sobreviveram) sem viço. As pessoas, meio sem prazer de curtir a casa, ou a família em casa.
Acredito que doar tempo às tarefas domèsticas seja uma declaração de amor a toda minha família.
Espero que dê certo.
E você? Ama ou odeia sua empregada? Já encarou o lar, a família e o trabalho sem ninguém para ajudar?