SE CORRER, SE FICAR…

Eu sempre fui de correr muito, uma perseguidora da vida.  Uma perseguidora da felicidade, do dinheiro, da paz.  Muitos projetos, muitos planos… Não respirava, muitas vezes.

Esse ano de 2010 me trouxe uma espécie de letargia, uma vontade enorme de deixar tudo de lado e ver o que acontecia.

Preguiça. De cozinhar, de fazer as unhas, de caminhar, de pensar. a televisão, outrora inimiga, tornou-se a melhor amiga inseparável . (Mesmo escolhendo os programas, este eletrodoméstico é um perigo, nos paralisa e impede de pensar)

E ontem eu olhei direito o meu entorno: a casa suja e bagunçada. Eu, inchada e sem disposição. O cabideiro escondido sob diversas roupas. As notas no boletim das crianças denotam falta de acompanhamento materno.  É… Acho que deixei rolar muito. Percebi que a vida está sem rédeas.

Ok, me sinto em paz, serena e calma.

Mas o caminho do meio é o correto.

Não sinto saudades do tempo em que eu não respirava.

Mas sinto falta do interesse e da disposição para cuidar de mim, do meu espaço e dos meus.

Enquanto penso nisso, lembro de como eu era controladora. E era chata, uma ditadora que queria que todos obedecessem às minhas vontades. Não entendia que não precisava levar todo mundo junto na minha neurose. E bate um medo.

O limite entre eu e os outros ainda é um mistério para mim.

Praticando a vida da maneira como eu acho correta, posso afastar pessoas que amo… Não sei, não entendo isso. O que seria a “vida correta”??

Viver o momento presente. É pouco? Não, é muito, mas muito mesmo! poque é o que temos: o momento presente. E cada um, a si próprio.

Em mim tenho tudo o que necessito, para este instante.

Agora vou tratar do almoço….

Anúncios

7 Respostas

  1. Gostei bastante do seu post…me identifiquei pois vivo uma “briga” entre a vontade de me deixar dominar pela preguiça (que como dizem os mineiros, “ô bicho bão sô”) e a pressa em correr atrás do que quero em modificações para mim.
    Essa vida é uma eterna batalha mesmo… chega a ser repetitivo e cansativo essa Roda da Fortuna como no tarot…
    Tem dias que eu acordo sem vontade de ver uma alma sequer pela minha frente… mas preciso trabalhar, tenho de interagir com superiores “bagagem de mão sem alça e sem rodas” (rssss), meu cérebro não pára de me fazer questionamentos…tem horas q eu tenho vontade de pegar esse cérebro e esganar ele…matar sufocado esse catzo que não pára de processar e falar “pq?como?onde?e se…?mas e…?”… minha cabeça é infernal. Mas olha amiga…às vezes o isolamento é imprescindível…sem ele a gente pira na real…perde as rédeas da própria mente…a pressão do pensamento versus as ações das pessoas versus a velocidade dos acontecimentos e o tempo que se esvai perante nossos olhos e pelos nossos dedos são excruciantes…o silêncio de um pequeno isolamento nos salva.
    besos

  2. Isso, isso!!! Um momento de cada vez, o caminho do meio, concordo!!!

    Hoje estou me sentindo igual a vc, sabia?

    Beijão,

    Bela – A Divorciada

  3. E qual foi o menu do almoço?
    Que você o tenha temperado com bastante carinho e esperança.
    Bjs.

  4. Que tudo entre nos eixos e vc viva a vida um dia de cada vez!
    Saudade de ti,mulher!
    Beijo!

  5. Sei não , pode ser que vc inteligente e criativa esteja reagindo contra a rotina da vida. A rotina é fogo!!!

  6. Fiquei curiosa para saber qual foi o almoço ! risos.

    Cris,

    Que bom que mudamos. Reconhecemos nossos erros. Nossos exageros. E tentamos acertar. Equilibrar.
    Você pergunta qual seria a vida correta ?
    Acredito que a vida correta é aquela que queremos viver no momento. Não existe receita de bolo. Certinha.
    Quem pode garantir que correr de lá pra cá adianta alguma coisa ? Correndo pra onde ?
    Também ficar parada, na inércia…!! Seria o ideal ?

    O importante é encontrar a serenidade. A vontade de fazer o que gosta. E viver os momentos. A vida é feita de momentos. O momento do trabalho. O momento de ler um bom livro. Escutar uma boa música. Conversar com amigos. Beber um bom vinho. Uma boa comida. Dormir.
    É isso.
    Nem sabemos se amanhã a vida permanecerá em nós….
    Gostei do seu post.
    Serve para refletirmos.
    Te adoro.
    Um beijo grande !

  7. Oi,amiga Polvita, acho que essa sensação de estarmos perdidas na confusão é uma coisa de momento.Quem não passou ou passa por isso? Tb estou reclusa,cuidando apenas dos problemas que deixei se acumularem. Cada dia tento resolver um. Ai,dá um trabalho eu cuidar de mim! Contas,dívidas,processo,dentista,comida,minha aparência… e por aí vai. Até na declaração do IR eu me enrolei,acredita? E agora,correndo atrás do prejuízo. Três anos,três longos anos pertidos numa situação que me prejudicou em tudo. Cadê ele,o bruto? Felizmente sumiu,mas me deixou sequelada,com certeza. Parece que não sou a mesma. Hj sou desconfiada, sem saber o que quero da vida, com a auto-estima no dedão do pé. Perdi aquela alegria que me caracterizava. Mas isso TEM que ser passageiro. É como vc bem disse: a gente tem que andar no caminho do meio,nem muito para um lado,nem mto para o outro. Tomara que consigamos esse equilíbrio. A Tv também tem sido minha grande companheira. Mas é fase,pode ter certeza.
    Vou visitar teus posts anteriores que ainda não li. Estou em falta com vc,Polvita amiga. Desculpe,ok? Mas não esqueço que vamos nos conhecer. É só eu conseguir botar o bonde nos trilhos de novo.
    Bjsss muito grandes,
    de sua amiga socada num moleton cor-de-rosa desbotado e furado no joelho… :-)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: