E COMO JÁ DIZIA JACK, O ESTRIPADOR…

Vamos por partes! Estou no hospital, dedinhos frenéticos para escrever, até dar uma tendinite na mão. Quem tiver paciência leia todas as partes. Quem não quer saber de drama, pule a primeira.

PARTE I: MIMIMI NATALINO-HOSPITALAR.

Voltei das férias bem no dia 24 de dezembro. Sim, sim. Bem na hora do feriado, eu voltei a cordar as quatro e meia da manhã, como todos já sabem.  Quando eu cheguei aqui, avisaram que tinha um “papel” para mim. Pensei com meus botões ” uma folha de pagamento suplementar, depositando uns três mil reais na conta salário… Ou talvez um aviso de que as férias poderiam ser prorrogadas por mais 45 dias, se assim eu desejasse…. Ou, quem sabe, o direito divino de mandar todo o mundo tomar lá no centro social do orifício…”

Mas não, amigos. Era uma queixa de uma paciente, formalizada pela ouvidoria do hospital, com o título de “tomar providências cabíveis”, carimbado pela minha chefe e coisa e tal. Abri o memorando. A queixa, escrita a caneta com uma letra sofrível. A primeira frase: ” a funcionária Christine me tratou com inginorança…” caraca!! Que presente de natal… O pior é que eu me lembro bem da sujeita, na verdade foi mais um mal entendido que uma inginorança em si. Tá bem, eu gritei com ela, mas isso foi depois que ela acabou com todos os meus neurônios calmos e pacientes. Mas na verdade, a recepção tava lotada e barulhenta e a senhora, sofrida e cheia de auto-piedade, não queria escutar, só repetir que “estou com hemorragia, estou passando muito mal, vou morrer”. Bem, mas o que interessa é que eu precisava responder à queixa, me defendendo por escrito. Fiquei muito chateada, e levei do dia 24 até hoje para responder à queixa.

Na resposta, relatei tudo o que aconteceu, dando ênfase à barulheira que estava no local e o nervosismo da senhora. Terminei meu texto reiterando meu compromisso com a humanização do SUS e com o respeito ao doente. Pelo menos a defesa pode ser apresentada por escrito, o que me deu muita vantagem. Mas doeu, gente. Porque eu faço mais que o impossível para ser bacana e solícita com o pessoal que vem até aqui.

Prontoacabou.

PARTE II: OS DESEJOS PARA 2010

Para minha vidinha nada pacata, eu desejo um par. Um par romãntico, sabe?! E desejo sim, que ele seja não só um homem como também seja romântico e dance comigo sob a luz da lua, no meu quintal (acho isso lindo, de verdade, e ainda não vivi). Como passei 70%deste plantão lendo a Superinteressante (denovo) e aprendi como a nossa natureza animal faz para que nos apaixonemos, vou descrever aqui o que eu quero:

Um cara de proporções simétricas (é o que consideramos belo), de maxilar bem definido (denuncia bastante testoterona) com aquele corpitcho de ombros largos e sem barriga (sinal de que é resistente à bactérias e vírus) e com o sistema imunológico complementar ao meu (para garantir filhotes mais resistentes às doenças). Biologicamente falando, este é o meu par ideal. Só falta agora descobrir o telefone e o nome dele.

Outra coisa: desejo tomar vergonha e parar de sentir vergonha de estar engordando, ou então, tomar vergonha e entrar num esquema de alimentação mais saudável. Ou corremos o risco de esse blog mudar de nome: ” A frenética saga da mulherbaleia”. Feinho. Prefiro ser a deliciosa polvinha de sempre. Cheia de ômega 3 e 6.

PARTE III: E PARA VOCÊS, EU DESEJO…

Que vocês todos tenham muita energia, garra e criatividade para enfrentar o ano que se inicia. E um bom aparelho de ar condicionado, pois esse será um verão dos mais quentes. (Superinteressante, denovo)

Cabeça no lugar na hora de ganhar e gastar dinheiro. Não façam como eu, que, por adorar gastar, sai fazendo uns trabalhos meio que sofridos. (Promessa de ano-novo: não vou me render aos apelos do qualquer trabalho é melhor que nenhum trabalho). Lembrem de fazer mais o que gostam e de gostar mais do que é inevitável, pois passar o ano repetindo o mantra “odeio meu emprego” não tá com nada.  Portanto, juízo.

Desejo de coração que todos vocês possam respirar fundo (não os paulistanos), deixando que o ar nutra também seus corpos. Que os olhos estejam bem abertos para exergar as belezas da vida, da natureza, e de si próprios. E deixem os olhos bem abertos também para enxergar as maravilhosas possibilidades de trabalho, de caridade, de amor que a vida nos apresenta a cada dia. Não gritem com a senhorinha nervosa, ok? Nem gritem com a mãe, ou batam nos filhos. O amor e o sorriso são as armas mais poderosas do mundo… Além do diálogo franco, num momento sem interferências e raivas.

E por último, desejo que vocês, e também eu, não nos esqueçamos, de jeito nenhum, de que somos poeira estelar (ai, lá vem ela denovo!!), fomos feitos do mesmo material das estrelas, portanto, nascemos para brilhar!!!

Brilhemos todos nós, em 2010 e por todos os séculos!!!

(nossa, esse mimimi inicial deu espaço para a “guru” que mora em um recôndito de mim…)

eu sou uma estrela, e você também!!

Experimente estar de plantão por 12 horas num domingo de sol, a quatro dias do ano novo. Nada acontece.  Sentei-me aqui fui abrindo janelinhas para o mundo virtual.

Não existe tédio em tempos de internet!

A Mulherpolvo não considera nenhuma cultura inútil, pois é uma delícia sentar para beber uns chopps no verão,  sem precisar ficar falando da vida dos outros… Acontecem informações que eu não consigo, de jeito nenhum, não propagar. E desta forma, logo após o “bom dia” de sempre, mandei para minha mãe: ” você sabe quanta energia libera a explosão de uma supernova??” Claro que ela não sabia! Esta explosão libera cerca de 2 milhões de trilhões de trilhões de megatons. Não que eu tenha entendido o que esse número gigantesco quer dizer, mesmo sem os megatons depois, mas acho glamouroso começar o dia assim.

Nesses dias de verão, sempre arranjo umas duas horinhas para estar na praia. E sempre levo algo para ler na praia. ( A  maneira mais eficaz de eu ficar quieta sem estar dormindo é ler)

Leitura do momento: ” Panorama Visto do Centro do Universo“. Um barato.

Descobri que sou um ser de luz, não porque a mamãe me falou, mas porque todos nós sobre a esfera terrestre, somos feitos de poeira estelar.  Esses átomos que compõem nossos corpos vieram das estrelas. Palavra de honra!!

Ser iluminado que sou, relito sobre essas piccolas angústias que rondam meu cérebro-polvo. Problemas com auto-estima. Que bobagem!! É a TPM!!!

Peço para as minhas fadas madinhas, neste  35° aniversário, que eu tenha mais consciência da minha luz e do meu valor. E que não esqueça de tomar o Stressdorum mais que meio dia!

Sabe quando a gente já entende uma coisa, mas mesmo assim sente a dor dos que não entendem? Eu rio e choro. Rio pois fico me achando boba de me deixar entrar em turbilhões nem tão turbilhosos assim. Choro porque mesmo sem querer, acabo entrando.

Mas tudo bem. Faz parte do crescimento… E além do mais, eu sou uma estrela, entre outras estrelas, brilhando pelas noites do verão de Piratininga.

E não vou desejar Feliz ano novo não. Eu volto até lá.

RETROSPECTIVAS À PARTE!!

” the records shows, I took the blows, and did it my way”

As férias no hospital acabarm justamente neste 24 de dezembro. E aqui estou, voltando à minha rotina, visitando os blogs amigos e escrevendo. Parece loucura, mas não tive nem tempo e nem sossego para escrever de casa. Excesso de trabalho na cozinha!!

E o famoso momento de pensar na vida e no ano que está acabando. Segunda feira é meu 35° aniversário. penso no ano que passou, todo documentado nesse blog. A menina que, nas primeiras horas de 2009 chorava em frente ao portão de Puro-Osso, já está bem diferente. deixou Puro-Osso partir, como também partiram Gatchenho e “O Cara”. A carência afetiva deu lugar á uma mulher que aprendeu a canalizar a energia sexual para coisas mais urgentes, que ponderou (uma única vez) sobre a conveniência de fazer sexo casual, que trabalhou em diversas cozinhas com alegria e garra.

Digo para vocês que 2009 foi um bom ano.

Ganhei as amizades blogueiras e preciosas da Afrodite, da Lu, da Barbara, da Celamar além das meninas do Corporativismo Feminino e do 3X30. No time dos meninos, o Dilberto, o Nivaldo, o Vito e o Felipe Mentiaca.

Outra coisa que foi ganho com aparência de perda: uma moça que eu julgava ser minha amigona e que, num belo dia, por telefone, resolveu que não queria mais falar comigo.  E eu chorei muito, mas muito mesmo!! e depois passou, e eu compreendi que esse foi um grande presente dos céus. E que a graça muitas vezes vem travestida de desgraça.

No momento, descubro estupefacta o quanto deixei as minhas máscaras falarem mais alto que eu mesma, fazendo mais o que esperavam de mim e menos o que eu queria de fato fazer.  E a grande lição do ano foi essa: a cada sim que digo ao mundo, é um não que digo para mim mesma. E que não adianta querer bancar a boazinha, pois quem gosta da gente, gosta. e quem não gosta, não passará a gostar só porque fomos bacanas.

Um natal sem irmã, sem filhas e sem árvore de natal. parece triste, mas ter a mãe só para mim é uma delícia, e assim a gente se integra, se conhece melhor.  Unidos pelos laços do sentimento, né não, Ana?

Para 2010, eu peço mais garra, mais sabedoria e um amor. Namorado não, amor. Quanto mais me conheço, mais percebo que não deixo ninguém de fato me conhecer. Angustiada? Não, de jeito nenhum. Aliviada por perceber isso tudo prestes a completar 35 anos e poder ainda andar de minissaia… Muita gente morre sem saber!! Outra coisa que desejo para mim mesma é mais um ano de análise… Ê coisa boa!!

Para vocês, desejo a trilogia “coração tranquilo, mente quieta e espinha ereta” o resto, é o resto.

Sáude, paz e simancol (também conhecido como noção) para todos!!! Amo vocês.

AMARELO

Toda a umidade de dezembro faz o céu ficar nublado. sabemos que o sol está lá, por trás de todo aquele branco. Mas os dezembros aqui de Piratininga trazem uma coisa extremamente linda, que é um entardecer amarelo, como se o sol fizesse muita força para me lembrar que ele está lá sim, e as nuvens no céu ficam parecendo de baunilha, porém bem forte, muito mais que em “Vanilla Sky”.

Sinto como se houvesse papel celofane amarelo em frente aos meus olhos.

E algumas bosboletas no estômago também… Passeio de bicicleta ouvindo jazz.  Nina Simone, céus negros, céus amarelos. Vontade de amar!!!

Que saudade de bater meus dedinhos neste teclado, escrever tudo o que vai na alma… Em momentos como esse percebo como me faz falta o hospital com todos os seus estresses: é lá que me concentro no mundo virtual, no meu blog e nos blogs que acompanho. Não ir lá é a mesma coisa que não ter sossego para ler ou escrever.

Falando em sossego, este parece estar de mau comigo. Como a Lu já adivinhou, não parei um só instante nessas benditas férias. Com o tempo chuvoso (basta eu estar de férias, todo ano é assim), eu poderia ter passado a semana inteira na cama, mas não, arranjei um trabalho temporário que me deixou exausta, de mau humor, levantou reflexões importantes acerca do quanto eu preciso me esculhambar por trezentos reais, que, ao chegarem em minhas mãos foram devidamente torrados sem dó nem piedade com lazer.

Eu gosto de trabalhar. Mas percebo que não pode e nem deve ser qualquer trabalho, e que, para valer à pena, tudo precisa ser feito com prazer, carinho, tesão.

Angústias de verão: as minhas filhas embarcam para a Bahia dia 17/12, e dessa vez eu precisarei arrumar as malas. Seis anos passando por isso sem me acostumar. Morro de ciúmes e saudades, e demora um pouco para sentir prazer de estar sem esta responsabilidade, podendo viver despreocupada com a hora do almoço, do banho, dos passeios, da atenção. Mãe em férias!! Mas o sabor desta liberdade é bem amargo. A casa vazia, silenciosa. Dentes caem sem que eu os troque por moedas.

Pensar que qualquer dia desses as malas serão arrumadas por elas mesmas, e os detinos serão outros. Búzios, Cabo Frio, Sana: não importa o destino, mas a constatação de que não serão menininhas para sempre, que muito em breve farão suas viagens pelo mundo afora, e tudo o que poderei fazer é abençoar.

COMO UMA AQUARELA

Piratininga, Niterói, upload feito originalmente por bpwilby.

Uma amizade suavemente colorida.

Um lindo quadro que não forja, pois possui as nuances de um amanhecer que deveria ser branco, mas teima em ter luzes de coloração inimaginável.

YOU LIVE FOR THE FIGHT AND THAT’S ALL THAT YOU GOT!!!

Enquanto eu quase derretia na cozinha com aquele forno ligado, tocou meu telefone. Um convite para trabalhar numa feira, essa semana. Como a minha maratona de cozinha já teria acabado e eu to de férias no hospital, topei na hora. Mas antes da feira, as emoções do finde:

Sexta-feira:Méeeeeeeeeeeeeeeeee!!!

Comecei o dia ainda terminando as rosas de açúcar, e outros detalhes da festa de casamento da Afrodite. À tarde, partimos, Tchela e eu, para preparar o jantar. Para os convidados e anfitrião, um jantar completo. Para mim e Tchelita, apenas o aperitivo. O cardápio:

Antepastos: canapés de fígado de frango com nozes; canapés de berinjela; canapés de cebola gratinados

Entrada: salada de folhas com palmito fresco cozido em manteiga de ervas

Prato principal: Pernil de cordeiro com risoto milanês

Sobremesa: mousse de chocolate branco com calda de maracujá.

E foi isso. Tudo uma maravilha, no ponto. O anfitrião, que já comeu nos melhores restaurantes do mundo, amou a minha comida!! Me senti muito bem e nas nuvens, mas ainda havia mais duas etapas para pensar em sucesso.

Sábado: Livin’ on a prayer!!

Muito cansadas. Era assim que estávamos, desde o primeiro momento do dia. Mas uma dose dupla do poderoso “shake da Mulherpolvo” resolveu nosso problema. Eu estava de fato muito, muito nervosa. Aquele nervoso que nos faz falar baixo. Não existe palavra que explique o tamanho da aflição e do medo que senti. Mas fui. E fiz bonito, denovo. Tudo ficou maravilhoso e Afrodite amou tudo o que servi na festa dela. Mas o final de semana ainda não havia acabado…

Domingo: Rubra e negra!!

Um último bolo para entregar, mil coisas que deram errado. prometo em breve deixar aqui as fotos de tudo o que cozinhei no final de semana, mas hoje não dá. O fato é que este último bolo me deu um problema na pasta, e eu precisei improvirar para esconder este defeito. Foi uma grande superação, o sentimento de dor, e depois de vitória, mil coisas passando pela cabeça, até sair de casa com um bolo bonito, mas não lindo.

Não encontrei a noivana entrega, mas meu coração já me dizia que ela não ia gostar. Só quando cheguei á Niteroi que telefonei para ela, que disse que gostou “mais ou menos”. fazer o que, além de torcer pelo FLAMENGO e beber, beber… Com as melhores amigas ao lado, qualquer decepção fica menos triste, e no dia em que meu time se tornou HEXACAMPEÂO acabei reencontrando pessoas e situações que muito me alegram.

Hoje, quarta à noite, muito cansada por conta da feira. Vim escrever de fofoqueira que sou…

Reflexão da semana: agradar à todos é impossível, então, melhor nem tentar.

SUCESSO ESTURRICANTE!!!

Acordo antes de o despertador tocar, seis e pouca da manhã. Depois de uma respiração profunda, me lembro dos compromissos do dia. Rosas de açúcar!! O primeiro contato com um ser humano: minha mãe, lembrando que a minha filha mais velha precisa ir ao dentista, ou seja, eu preciso largar meus afazeres para levar a menina ao dentista. NÂAAAAAAAAAAO!!!

Não posso, não tenho condição de gastar nenhum minuto desta segunda feira. Tenho muitas rosas a fazer, além de precisar começar os recheios dos bolos, terminar a quantidade pornográfica de salgadinhos… Enfim!

Sete e trinta. finalmente poderei começar o trabalho. Só pra começar já é um troço. retirar mil coisas do lugar e instalar as caixas e maletas que guardam o material de confeitagem.

Pego uma pasta elástica novinha para usar. separo os cortadores. a pasta é molenga e vai demorar a pegar ponto.

Os dedos já estão todos melecados com a pasta molenga. Putaquepáriu!!! Ai, ai, não posso falar palavrão fazendo flor de açúcar!! Não posso falar nenhum dos palavrões do meu extenso repertório quando estou cozinhando ou confeitando, para não amaldiçoar a comida. Mas são oito da manhã, faz um calor digno do Inferno, minha mão tá toda melecada e eu preciso ver o trabalho andar.

Acendo um abajour com uma lâmpada de 100v ao meu lado, para que as flores sequem mais rapidamente. Mas essa joça esquenta, e muito. Subverto a ordem das confeiteras e ligo um ventilador em cima de mim. O lado bom é que a pasta elástica vai pegar ponto mais rápido. O ruim é que vai pasar do ponto mais rápido também.

Jogo um miojo no prato de cada filha, jurando que, na semana vem, as coisas vão melhorar para elas.

Duas da tarde: preciso assar pasteis de forno. e o que já era quente, fica… mais quente ainda!! Forno a 200 graus, lâmpada de 100v, calor de verão.

Enquanto lavo a louça, olho pela janela. Ê solzão!!! Um mergulho no mar agora, hein?! Que tal?!

A praia que espere. Derreto de calor realizando meus sonhos.

Tudo o que eu queria era sucesso profissional. Olha ele aí, me tirando da praia e colocando na cozinha, bem quente!

PS: o blog completou 20mil visitas e eu nem vi. Completou 500 comentários e eu também só vi depois. estou sem fazer a sombrancelha faz duas semanas, e as mãos estão piores que a do caseiro da minha casa. É o sucesso….