TRANSTORNADA, EU?

Esse post é totalmente dedicado à minha nova leitora, a Tati.
Sim, querida, é para você mesma. É que no seu último comentário, você falou sobre ser ou não ser bipolar. E isso mexeu comigo.
Bem, eu era diagnosticada como bipolar. Isso faz uns quatro anos, mais ou menos. Porque eu era uma caixinha de surpresas, porque passava do ótimo ao péssimo em questão de segundos, era encrenqueira e casca grossa.
Ou então eu ficava deprimida, muito deprimida. Na verdade, o primeiro diagnóstico veio em 2001, esperando Rebeca, Rafaela com um ano e meio, morando longe de tudo e de todos, no interior da Bahia. Meu ex-marido arrumou uma amante descarada de 16 anos, e eu tinha 27.
O médico, um homeopata, usava a iridologia para conhecer melhor seus pacientes. No meu exame, ele ficou boquiaberto, pois um lado meu era exatamente o oposto do outro.
Dois polos.
Bipolar.
Casamento desfeito, tudo esquecido, inclusive osmedicamentos. E a vida foi acontecendo, até que em 2006 eu resolvi voltar a me tratar.
Psiquiatra, estabilizador de humor. Todas essas coisas estão escritas no meu blog antigo, que eu nunca linkei aqui, por ter meu nome e uma foto minha. Mas isso é outra história.
Análise desde então, e uma surpresa: minha analista me jurou de pés juntos que eu não sou bipolar droga nenhuma, ora bolas.
Tomei coragem e larguei a medicação e o psiquiatra. Sabe o que aconteceu??
Nada!
Fico de mau humor, as vezes ainda dou um ataque, se a pessoa merecer.
Também fico muito feliz às vezes.
Mas o que mudou mesmo foi a minha percepção de mim mesma, do que depende de mim ou não. Problemas, todos temos. Uns mais e mais cabeludos que outros, mas sempre problemas.
Toda a dor e sofrimento que presencio lá no hospital também foram fundamentais para que meus sentimentos amadurecessem, para entender que ficar dura um mês ou dois não é nada, pois tem gente que abandona a mãe velha e doente no hospital por não ter como pagar por medicamentose fraldas geriátricas.
O que eu quero dizer mesmo é que o transtorno bipolar existe e que muitas pessoas sofrem muito com ele.
Mas precisamos ter muito cuidado para não nos esconder atrás de rótulos, sejam eles quais forem.
Fundamental se investigar, com cuidado e humildade, se conhecer. Como já dizia Sócrates, a condição de principal para tornar-se um sábio: “conhece a ti mesmo”.

Anúncios

5 Respostas

  1. obrigada por homenagiar minh mae !

  2. Nossa, nossa. Primeiro quero dizer q fiquei emocionada, qdo vi meu nome. E concordo plenamente com vc, com tudo isto acontecendo em sua vida (cidade, marido, etc) vc não era obrigada a sair sorrindo na rua. O problema é que as pessoas não se colocam no lugar da outra. Eu me permito acordar com qualquer humor, já sofri por isto mas as pessoas que gostam da gente acabam entendendo. E foi a partir dai que minhas amizades ficaram mais selecionadas e eu passei a me aceitar mais. Se sou bipolar ou não, não sei… só sei q estou bem assim. Louca mas feliz.

  3. Isso aí Tati, o importante é ser feliz!!!

  4. Oi Baby,

    Tudo bom com vc? Só para mandar um beijinho e desejar bom final de semana.

    Beijos,

    Bela

  5. gentem …. ahazô!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: