TPM: Tô num Plantão Malvado

Este dia começou com uma prece: “Senhor! Me ajude a ultrapassar este plantão! Derrame saúde por sobre a cidade, de forma que poucas pessoas procurem meu hospital hoje. Me ilumine e me proteja de eventuais grosserias de colegas, de médicos e de pacientes, amém.”
E cheguei aqui assim, cheia de boa vontade, depois de acordar as 4 e meia da manhã, banho com frio, dois ônibus.
Como TODOS os computadores do hospital estavam infectados por vírus (inclusive o servidor), ficamos desde quarta passada até ontem fazendo os boletins de atendimento à mão.
Hoje, enquanto minha colega ia cadastrando os boletins do finde no meu computador, eu ia fazendo os de hoje à mão. Mas aí não tinha cadeira e eu sentei na parte baixa do balcão. desde 7 da manhã até as 12 horas. Mas acontece que eu to de tpm, aquela bem enjoada, de peito doendo (muito) toda inchada, com uma espinha enorme no rosto. Some à isto o finde de Amy, a saída com o cara errado etc, etc. Eu to de mau humor, e passando mal, e de plantão, e nem podia ficar quieta lendo, na minha.
Até que chega a tarde, e o trabalho frenético, sem dar trégua.
Me aparece uma moça, nem jovem, nem velha, pedindo pra medir pressão. Expliquei pra sujeita onde era e voltei ao trabalho.
Passa um tempo, me chaga a criatura, encosta no meu balcão e diz:
“Você não precisa mentir. Eu andei todo ambulatório, e aqui não se mede pressão”.
Merrrmão…Eu fiqui muito puta, só dizendo assim. Danei a falar, rápido, coração palpitando, mão tremendo:
“Você está vendo esta placa de informação aqui? Ela aponta para mim. Então eu sei o que estou falando e vou ali chamar minha chefe, que ela te dirá onde é que se mede pressão aqui.
Mas minha chefe estava em outro lugar no momento, e eu precisei ficar no quarto, chorando muito, me sentindo desamparada e injustiçada.
Quando um cidadão é mau tratado aqui neste hospital, ele tem diversos lugares onde reclamar. Eu teria a minha chefe para me defender, mas no momento ela não estava.
Quando eu voltei pro meu lugar, a mulher veio me pedir desculpas, e eu expliquei que o lugar certo era o que eu havia indicado, e que os médicos de lá não gostam, rola uma briga entre os setores mas que nada, nada justifica ela entrar no meu ambiente de trabalho me chamando de mentirosa.
Eu poderia processá-la.
Mas pra que? A única coisa que eu queria, assim como os usuários do SUS, é de um pouco de respeito. De ter quem compre minhas brigas.Trabalho com o teclado do computador uns bons 15 centímetros acima do recomendável, e volto pra casa com dor nos pulsos em todos os plantões.
Sou atacada, mas incapaz de fazer uma grosseria com uma pessoa que já é pobre, feia, mau-instruída e ainda por cima, doente.
Procuro fazer mais que o melhor para quem me aparece aqui, pois poderia ser um familiar meu, um amigo, uma das minhas filhas ou eu mesma.
Dias melhores virão, quando eu me aposentar, ou quando casar com George Soros e me mudar pra Polinesia Francesa.
Em tempo: faltando meia hora pra eu ir embora, desaba o céu no Rio de Janeiro.
TODO CASTIGO PRA CORNO É POUCO. DE BLUSA TRANSPARENTE, DE TAMANCO, SEM GUARDA-CHUVA, SEM JAQUETA, SEM NADA. BUÀAAAAAAA!!
OH! SENHOR!! COMO É QUE EU VOU EMBORA PRA VIRAR A PÁGINA DESTE DIA??????

Anúncios

3 Respostas

  1. George Soros? Melhor o Ike Batista!

    []s
    O Carioca

  2. pode crer… vc tem o telefone dele?

  3. Não…mas…eu consigo….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: